quarta-feira, 23 de março de 2011

OLHANDO PRA JESUS?






  “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma. Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue e estais esquecidos da exortação que, como a filhos, discorre convosco: Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; ​porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe. É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como filhos); pois que filho há que o pai não corrige? Mas, se estais sem correção, de que todos se têm tornado participantes, logo, sois bastardos e não filhos. Além disso, tínhamos os nossos pais segundo a carne, que nos corrigiam, e os respeitávamos; não havemos de estar em muito maior submissão ao Pai espiritual e, então, viveremos? Pois eles nos corrigiam por pouco tempo, segundo melhor lhes parecia; Deus, porém, nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da sua santidade.
Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça.
​Por isso, restabelecei as mãos descaídas e os joelhos trôpegos; e fazei caminhos retos para os pés, para que não se extravie o que é manco; antes, seja curado.

Olhando firmemente, importa entender de maneira a deixar de voltar os olhos para outras coisas e fixamente focar a Jesus como Aquele que realmente merece, como Alguém que realmente importa e o Único que verdadeiramente pode fazer alguma coisa. Olhando firmemente para Jesus para ter condições de superar todos os demais obstáculos, toda sorte de tentação todos os que se apresentarem como adversários e também o adversário.
Precisamos tornar nosso olhar exclusivo a Jesus:

Tomando bons exemplos

A nuvem de testemunhas mencionada e que tão de perto nos acompanha, vem provar-nos que, mesmo diante de toda sorte de impossibilidades, não distraídos pela suposta falta de oportunidade, haverá um tempo de refrigério. Quem poderia imaginar melhor sorte, quando se olha para todos os lados e não consegue enxergar o escape, quem poderia pensar outra coisa, se tudo o que se houve é mentiras, violência, desrespeito, imoralidade. É mais esta nuvem de testemunhas experimentou isto e porque não dizer algo mais, mas nunca deixaram de olhar para frente, aguardando o cumprimento da promessa.
O que mais poderia se dizer? Eu acredito que nada. Basta tão somente absorver estes bons exemplos e buscar urgentemente fixar nossos olhos para além dos montes e alcançar Aquele que fielmente nos fez a promessa, tendo plena convicção de fé que irá protagonizar nossas vitórias. (Hb 10.23 “​Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.”)

Superando os embaraços

Quem nunca enfrentou situação constrangedora, quem jamais teve que se deparar com circunstâncias tão adversas que não veio a se sentir um enorme pigmeu (ainda que paradoxal), qual super crente que jamais se precisou deixar algum pertence para traz para escapar da aparência “formosa” do pecado? Pois bem, pra se seguir em frente existe a necessidade de superar tudo isto e tudo mais quanto se manifestar à nossa frente.
Um campeão que se preze, não se deixa estorvar por situações como estas (2 Tm 2.2,3 “Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou.”). Estamos em uma disputa tremenda, e não fomos inscritos para competir, fomos vocacionados para vencer, a coroa nos espera, a glória já está preparada, cabe a nós completar esta carreira (1 Co 9.25 “​Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível.”).

Experimentando motivação plena

Se não fosse suficiente o número e a qualidade das testemunhas que nos acompanham, o que falar Daquele que abriu mão do prazer para experimentar a dor, que ignorou a vergonha para depois ocupar o honrado lugar de onde não precisava ter deixado e não fez caso dos opositores. Seríamos melhores do que Ele para ignorar tudo isto e se prostrar agora como se não tivesse importância, como meros fracassados. Será que já chegamos ao nosso limite, qual é o nosso limite? Nem mesmo isto, temos condições de determinar, ainda que presunçosamente venhamos estipular nos momentos que julgamos insuperáveis.
O exemplo foi deixado para nos ocupemos e segui-lo, cabe a mim e a você escolher seguir ou ignorá-lo (1 Pe 2.21 “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos,”). Se verdadeiramente somos suas testemunhas, se realmente experimentamos sua comunhão, não podemos tomar outra rota e muito menos outra postura se não o que foi deixado como legado (1 Jo 2.6 “​aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou.”). Se nos é suficiente o exemplo e o que dizer da Sua graça, isto nos basta (2 Co 12.9 “​Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo.”).

Admitindo a disciplina

Ninguém quer admitir se órfão ou mesmo filho ilegítimo de Deus. Quer comprar briga, experimente questionar a filiação de alguém, quanto à pessoa de Deus. Mas será que estamos dispostos a admitir tenazmente que seus corretivos nos alcancem, será que estamos tão pronto a submeter-nos ao poder disciplinador oriundo Daquele que tanto nos ama e busca nosso aperfeiçoamento?
O que tem de filho brigado com Deus, o que há de questionamentos quanto aos métodos utilizados pelo amoroso Pai, talvez faltasse espaço no mundo para armazenar os registros destes (estou me aventurando com a figura de linguagem), deixando a hipérbole de lado, o comentário é factual, quantas vezes não me surpreendi nesta posição, basta sermos sinceros consigo mesmos e vamos admitir a veracidade do fato. O que está acontecendo neste momento, é que os olhos acabam escapando do alvo e passam a mirar posições secundárias que querem predominar nossas definições acerca dos acontecimentos.
Não devemos atentar para o momento apenas. A dor que sentimos a angustia que consome a espera contestada não podem nos tirar a certeza dos benefícios que serão alcançados ao fim do processo. O acesso a Sua santidade e a possibilidade de produzirmos com qualidade deve nos assediar tanto quanto o desejo de evitar a ação disciplinadora do Senhor.

Motivo para restauração

Durante o processo somos levados a experimentar extremos. Há momentos que parece estarmos alcançando os céus, em contrapartida, outros nos sentimos miseráveis e impotentes.
Mas o “simples” fato de encontrarmos Jesus com nosso olhar nos será suficiente para que venhamos sentir verdadeiras transformações em nossas vidas, passamos a experimentar o renovo, vivenciamos a restauração das forças e habilidades. Este é o propósito Divino em nós. Ao olharmos para Jesus, venhamos a desfrutar daquilo que jamais deveríamos ter renunciado.
Por isso, olhemos fixamente para Jesus e sentiremos a firmeza de mãos e pés que nos possibilitarão caminhar, correr, saltar, atingir os objetivos estabelecidos e assim tomar posse da eterna recompensa.
Pra onde segue seu olhar, qual tem sido teu alvo? Se não for Jesus, o que está esperando para mudar de foco?

Nenhum comentário:

Postar um comentário